• 1 Acervo Iconográfico - Bondes
  • 1 Acervo Cartográfico - Paço Municipal
  • 1 Acervo Iconográfico - Vista Geral da Cidade
  • 1 Acervo Iconográfico - Praia do Boqueirão
  • 1 Acervo Iconográfico - Rua do Comércio
  • 1 Acervo Cartográfico - Teatro Guarany

    • Fundação Arquivo e Memória de Santos

      A Fundação Arquivo e Memória de Santos é uma instituição que trabalha no gerenciamento dos arquivos públicos da Prefeitura de Santos e com a memória documental e iconográfica da Cidade, garantindo a salvaguarda, a preservação e a disseminação desse patrimônio.

    SANTA CATARINA DE ALEXANDRIA



     santacatarina.jpg 

    Catarina de Alexandria, também conhecida como "A Grande Mártir Santa Catarina" foi uma cristã, nascida pagã no ano de 300 d.C. na cidade egípcia de Alexandria, filha do rei local, Costes. Estudou filosofia, teologia e outras ciências. Além de muito inteligente e culta, era dotada de singular beleza.   

    Catarina viveu no tempo da cruel perseguição de Diocleciano aos cristãos. No Egito, a perseguição alcançou tal nível de crueldade que até os pagãos se compadeciam  dos cristãos e procuravam ajudá-los.   

    Santa Catarina foi instruída na fé cristã por um ermitão de nome Ananias, que a batizou. Ela começou a sofrer na própria pele a perseguição quando Maximino Daia, encantado por sua beleza, apaixonou-se por ela a ponto de divorciar-se apenas para se casar com ela. Mas, Catarina o rejeitou. Inconformado, o imperador romano  convocou 50 filósofos com a missão de convencerem Catarina de que jamais poderia considerar Deus um homem que havia morrido crucificado.    

    Entretanto, Catarina, que tinha apenas 17 anos, fazendo uso de sua inteligência, de seus conhecimentos filosóficos e sobretudo amparada na sua fé, reverteu a situação e terminou por convencer e converter ao cristianismo os 50 filósofos.   

    Irritado, sentindo-se derrotado, Maximino mandou trucidar os 50 sábios e, sem conseguir submeter Catarina a seus caprichos, condenou-a a morrer triturada, sob um carro com rodas com pontas de ferro.  

    Conta a lenda que, ao contato com o corpo de Catarina,  as pontas de ferro dos carros se dobraram como se fossem vime. Ela foi então levada para fora da cidade para ser degolada.   

    Segundo ainda outra lenda, quando lhe cortaram a cabeça, em vez de sangue, jorrou leite.  Por causa desses fatos, ela passou a ser invocada por todos os que trabalham com rodas, como carpinteiros, torneiros, amoladores, curtidores e também pelas mães que desejam ter leite para amamentar seus filhos. É também invocada pelos filósofos e estudantes. Sua festa foi incluída no calendário, no século XIV pelo Papa João XXII.

    A exaltação à Santa Catarina, foram levantadas numerosas igrejas em toda a Europa. Por sua sabedoria, a Santa é invocada como protetora pelos estudantes, intelectuais e filósofos. Literatura e arte celebraram os louvores e imortalizaram sua figura. A Universidade de Paris escolheu-a como padroeira. E o Brasil honra-se em tê-la protetora de um Estado, que leva seu nome. O dia 25 de novembro é dedicado a Santa Catarina de Alexandria.  


    CURIOSIDADES HISTÓRICAS 
    Foi ouvindo a voz de Santa Catarina que Joana d'Arc (imagem ao lado) encontrou a espada que usaria em sua missão e que mudaria a história da França. Junto de Santa Margarida e do Arcanjo São Miguel, era uma das vozes que falavam com ela e a instruíram na sua missão de salvar a França.   

    No Brasil, é a padroeira principal do Estado e da Ilha de Santa Catarina e co-padroeira da Catedral metropolitana de Florianópolis.


    CURIOSIDADE EM SANTOS  
    A imagem de Santa Catarina de Alexandria, trazida a Santos por volta de 1540, pelo casal Luiz de Góes e Catarina de Aguillar, é o objeto mais antigo ainda existente na cidade. A peça de madeira, de aproximadamente 90 cm de altura, faz parte do acervo do Museu de Arte Sacra.   

    Em 1591, a capela foi parcialmente destruída e a imagem lançada ao mar pelos corsários de Thomas Cavendish e, após 72 anos, em 1663, recolhida casualmente por escravos de jesuítas. Por iniciativa do Padre Alexandre de Gusmão e com a ajuda do povo, a capela foi reedificada, desta vez no alto do Outeiro. No século XIX, a capela foi demolida para a abertura da Rua Santa Catarina, hoje Visconde do Rio Branco.
     
    joana_darc_fogueira.jpg

       



    Serviço


    A Fundação funciona de segunda a sexta, das 9 às 17 horas.Endereço: Rua Amador Bueno, 22 - Centro Histórico, Santos - SP - CEP 11.013.150
    Email: sede@fundasantos.org.br

    Sede: (13) 3202-1240
    Arquivo Permanente: (13) 3213-1730
    Arquivo Intermediário: (13) 3213-4570
    Arquivo Geral: (13) 3201-5015

    Parceiros

    Arquivo NacionalArquivo Público do Estado Prefeitura Municipal de SantosMuseu do Café